SAF – Sociedade Auxiliadora Feminina

É a organização do Trabalho Feminino em uma Igreja, Congregação ou Ponto de Pregação. Funciona com a autorização e sob a jurisdição do Conselho da igreja local, que indica um Conselheiro para servir de elo de ligação com a Sociedade.

Sócias da SAF (MUSI – pág. 32, Cap. IV, Art.7º e 8º)

A filiação à SAF terá por base a faixa etária de 18 anos para cima.
Haverá duas categorias de sócias:

a) ativa – membro da Igreja que se comprometer a freqüentar no mínimo 50% das reuniões e realizar o trabalho que lhe for designado.
b) cooperadora – aquela que sendo membro da Igreja, ou aluna da Escola Dominical, esteja impedida, por motivo justo, de freqüentar regularmente as reuniões da SAF, ou o membro de qualquer outra igreja evangélica, a juízo do Conselho e que, dentro de suas possibilidades, coopere com sua participação e apoio financeiro. A sócia cooperadora não terá direito a voto e sua presença não intervirá no quorum da reunião.

Sócia Emérita – título de honra que é oferecido a uma sócia de qualquer categoria,
que, sendo membro professo da IPB, em plena comunhão, tenha prestado relevantes
serviços à SAF da qual é sócia. Este título não implica a perda de qualquer
privilégio ou dever da sócia, bem como não lhe adiciona privilégios ou deveres
diferentes das demais sócias.

Departamentos (MUSI – pág. 48, Cap. VII, Art. 43)

A SAF poderá se dividir em Departamentos. O número de sócias de um Departamento fica a critério da Diretoria, sendo o mínimo de 5 e o máximo de 15.
Parágrafo único – a divisão da SAF em Departamentos é feita pela Diretoria, que seguirá o critério geográfico ou outro que achar conveniente.

As finalidades dos Departamentos são (MUSI – pág. 48, Cap. VII, Art. 44):

a) contribuir para um maior desenvolvimento das sócias;
b) realizar estudos e palestras indispensáveis ao desenvolvimento de uma vida integral;
c) preparar obreiros capazes para cargos de responsabilidade;
d) aumentar o interesse e o entusiasmo pelo trabalho;
e) estreitar as relações de amizade entre as sócias.

 

Secretarias de Atividades

A Secretaria de Atividade é uma área de atuação em que todos os sócios são desafiados a atuar individual e coletivamente. Tem como objetivo preparar as sócias para que tenham condições de desenvolver qualquer atividade na Sociedade local, na Federação, na Confederação Sinodal, na Confederação Nacional, ou ainda na igreja local como um todo
(MUSI – pág. 41, Cap. VI, Art. 28 e 30).

A SAF, respeitando suas particularidades de estrutura e funcionamento, poderão ter as seguintes Secretarias de Atividades:

a) espiritualidade
b) evangelização
c) missões
d) ação social
e) causas da IPB
f) causas locais e sociabilidade
g) cultura
h) comunicação e marketing
i) estatística
j) música
k) esporte e recreação
l) outras conforme a realidade local.
(MUSI – pág. 41, Cap. VI, Art. 29)

A Diretoria da SAF nomeia para cada Secretaria uma sócia que coordenará aquela atividade. Cada SAF procurará trabalhar com o máximo de Secretarias, atendendo, no entanto à sua realidade humana e local.

A Bíblia Sagrada conta histórias de jovens que tiveram uma experiência com Deus, encontraram sentido para suas vidas e fizeram diferença no mundo.

O jovem tem diante de si a responsabilidade de escolhas e decisões que afetarão todo o seu futuro, como por exemplo: quem é o meu Deus? Quais os princípios éticos e morais que definirão meus posicionamentos na vida? Com quem vou me casar, e ou que estrutura familiar pretendo desenvolver? Qual é a minha vocação? Qual será minha carreira profissional? Como vou contribuir para o bem comum e a construção de uma sociedade de justiça e paz?

Para oferecer um ambiente favorável ao encontro com Deus, subsidiar as decisões e escolhas, e cooperar na construção do futuro dos jovens, o IPEM Jovem desenvolve suas atividades orientadas por três ênfases: Palavra – ensino bíblico relevante e contextualizado; Comunhão – encorajando o jovem a um compromisso pessoal e comunitário com Cristo e incentivando as amizades espirituais; e Missão – mobilizando para ações e projetos de missão integral.

Palavra

Oferecer ensino bíblico relevante e contextualizado contribuindo para que o jovem se torne um discípulo de Jesus, tenha subsídios para suas escolhas e decisões.

Para a consolidação e prática desta ênfase, o IPEM Jovem desenvolverá duas atividades: Encontros dominicais de estudo bíblicos, congressos, fóruns de debate... Dentre outras atividades.

Comunhão

Oferecer espaços de convivência, seja por meio da participação em pequenos grupos ou nos ajuntamentos coletivos, encorajando o jovem a um compromisso pessoal e comunitário com Cristo e incentivando as amizades espirituais.

Aos sábados, num período quinzenal, o IPEM Jovem realiza nas casas o “VAMO JUNTO”, encontro informal onde a teologia, cultura e diversão se abraçam e complementam.

Missão

Proporcionar aos jovens da IPEM possibilidades de servir, por meio de atuação diaconal alinhada com a missão integral, em ações de impacto desenvolvidas em um dia de trabalho voluntário ou em projetos sociomissionários desenvolvidos em parceria com igrejas, organizações e comunidades, em localidades que apresentam baixo IDH.

Adolescentes

Jesus, durante sua adolescência, como a maioria dos meninos de sua época, conhecia a Torah. Enquanto crescia desenvolvia sua autonomia e identidade como filho de Deus. Como adolescente vivencia todas as dificuldades, conflitos e descobertas que todos os adolescentes passam. Porém, cresce “em graça e sabedoria diante de Deus e dos homens”.

O período da adolescência é quando a validade dos fundamentos éticos, morais e espirituais é questionada numa busca sincera por valores que façam sentido.

Com o fim de cooperar no processo de crescimento e amadurecimento dos adolescentes, valorizamos o discipulado, o cuidado pastoral, o ensino bíblico, a comunhão por mio dos pequenos grupos e o desafio nas ações e projetos de missão integral em nossa comunidade.

Coral Simonton

O Ministério de Conjuntos e Corais teve seu expressivo começo no final da década de 40 e começo da década de 50, sendo que se pode destacar como o seu mais expressivo colaborador, o Presbítero Lázaro S. da Silva. Entre os vários regentes que deram impulso ao ministério podemos citar os nomes de Orionte G. Araújo e C. L. Oliveira, mais foi sob a regência do então Pastor da época, Rev. Ary B. Martins, que o coral intitulado Simonton – em homenagem ao pai do Presbiterianismo Brasileiro, o americano Ashbel Green Simonton – destacou-se e, se tornou um dos mais tradicionais da igreja. Isto fez impulsionar a mesma para a descoberta de talentos expressivos e de vozes que não deixam nada a dever para as maiores estrelas da música sacra e clássica da atualidade, mas com o diferencial de usar seus talentos para louvar e bendizer o nome excelsio de Cristo Jesus.

Coral Exodus

Após estes acontecimentos, no final da década de 80 e inicio da década de 90, um expressivo grupo de irmãos desejosos de cantar uma cantata de Natal se uniram. A partir deste momento, em 1992, chamado de Coral Êxodus e, oficializado pelo conselho da Igreja sob responsabilidade do pastor da época, Rev. João Campos Avilano, o qual teve um apoio decisivo no surgimento do coral do mesmo, estabeleceu-se desta forma, mais um novo integrante do Ministério Música da Igreja.

Conjunto Coral Novo Viver

Depois de todos os acontecimentos na área de Música da Igreja, irmãos como Presb. Rubens Bravo e Manasses Araújo, perceberem em um Acampamento a grande influência que a música fazia na vida das pessoas e, com o apoio da Igreja e do saudoso pastor da época, Rev. Ephigênio Alves de Oliveira, em julho de 1970, foi instituído o Conjunto Jovem que mais tarde veio a ser chamado Conjunto Novo Viver. O Coral Jovem Novo Viver, influenciava e até hoje influencia gerações de jovens que querem ter um compromisso voltado ao Ministério de Música para viver e pregar a palavra de forma cantada,testemunhada através de músicas jovem com valoroso impacto espiritual.

Coral infanto-juvenil Perfeito Louvor

Nos meados da década de 1990, o então pastor da época, Rev. Antônio Maspoli de Araújo, sentiu em seu coração o desejo de se desenvolver um coral especialmente voltado para área infanto-juvenil e estender o Ministério de Música para as crianças e juniores. Então, o Rev. Maspoli nomeou a irmã Marilena Garcia da Silva como responsável para cuidar do repertório musical e, convidar as crianças para o novo Coral, o qual aconteceu de forma imediata, pois as crianças da igreja e seus pais se dispuseram a trabalhar neste novo ministério com apoio de toda a igreja. Nascia então o Coral infanto-juvenil Perfeito Louvor.

IPEM Jovem

A Bíblia Sagrada conta histórias de jovens que tiveram uma experiência com Deus, encontraram sentido para suas vidas e fizeram diferença no mundo.

O jovem tem diante de si a responsabilidade de escolhas e decisões que afetarão todo o seu futuro, como por exemplo: quem é o meu Deus? Quais os princípios éticos e morais que definirão meus posicionamentos na vida? Com quem vou me casar, e ou que estrutura familiar pretendo desenvolver? Qual é a minha vocação? Qual será minha carreira profissional? Como vou contribuir para o bem comum e a construção de uma sociedade de justiça e paz?

Para oferecer um ambiente favorável ao encontro com Deus, subsidiar as decisões e escolhas, e cooperar na construção do futuro dos jovens, o IPEM Jovem desenvolve suas atividades orientadas por três ênfases: Palavra – ensino bíblico relevante e contextualizado; Comunhão – encorajando o jovem a um compromisso pessoal e comunitário com Cristo e incentivando as amizades espirituais; e Missão – mobilizando para ações e projetos de missão integral.

Palavra

Oferecer ensino bíblico relevante e contextualizado contribuindo para que o jovem se torne um discípulo de Jesus, tenha subsídios para suas escolhas e decisões.

Para a consolidação e prática desta ênfase, o IPEM Jovem desenvolverá duas atividades: Encontros dominicais de estudo bíblicos, congressos, fóruns de debate... Dentre outras atividades.

Comunhão

Oferecer espaços de convivência, seja por meio da participação em pequenos grupos ou nos ajuntamentos coletivos, encorajando o jovem a um compromisso pessoal e comunitário com Cristo e incentivando as amizades espirituais.

Aos sábados, num período quinzenal, o IPEM Jovem realiza nas casas o “VAMO JUNTO”, encontro informal onde a teologia, cultura e diversão se abraçam e complementam.

Missão

Proporcionar aos jovens da IPEM possibilidades de servir, por meio de atuação diaconal alinhada com a missão integral, em ações de impacto desenvolvidas em um dia de trabalho voluntário ou em projetos sociomissionários desenvolvidos em parceria com igrejas, organizações e comunidades, em localidades que apresentam baixo IDH.

Adolescentes

Jesus, durante sua adolescência, como a maioria dos meninos de sua época, conhecia a Torah. Enquanto crescia desenvolvia sua autonomia e identidade como filho de Deus. Como adolescente vivencia todas as dificuldades, conflitos e descobertas que todos os adolescentes passam. Porém, cresce “em graça e sabedoria diante de Deus e dos homens”.

O período da adolescência é quando a validade dos fundamentos éticos, morais e espirituais é questionada numa busca sincera por valores que façam sentido.

Com o fim de cooperar no processo de crescimento e amadurecimento dos adolescentes, valorizamos o discipulado, o cuidado pastoral, o ensino bíblico, a comunhão por mio dos pequenos grupos e o desafio nas ações e projetos de missão integral em nossa comunidade.

O que é o culto infantil?

O Culto á Deus é um grande momento de louvor, adoração e recebimento da Palavra de Deus, e as crianças fazem parte deste momento. O Culto infantil tem como propósito conduzir as crianças a adoração a Deus, por meio de uma linguagem específica, que traga edificação ao coração delas.
 
O culto infantil não é um apêndice ao culto dos adultos, com o propósito de apenas entreter as crianças enquanto os pais participam do culto no Templo. Na verdade, o culto infantil requer muito preparo, direção e sabedoria da parte de Deus. Valorizamos as crianças e acreditamos no seu potencial. Neste sentido, nosso propósito é proporcionar as crianças um tempo de aprendizado da Escritura por meio de reflexões bíblicas que as leve a uma atitude de adoração e aprendizado.
 
O culto infantil, tem como propósito ser uma ponte que encaminha a criança a se preparar para o culto dos adultos. Dentre os aspectos sobre a importância do culto infantil, podemos destacar:
a) Permite uma facilidade para integração das crianças com “o culto dos adultos”
b) Possibilita á criança uma participação direta no culto, seja: lendo a bíblia, tirando oferta, cantando, orando,etc.
c) É uma forma didática de ensinar á criança os valores da adoração, de maneira que o culto seja algo apreendido e vivenciado por todas elas.
d) Valoriza o momento cúltico da criança respeitando suas expressões e adequando-se a sua compreensão.
 
Material utilizado: 
O material que utilizamos é um livro da Editora Cultura Cristã - "Crianças adoram a Deus"
Este livro contém orientações para a liderança da igreja, 38 programas de culto, um CD com músicas infantis e recursos didáticos. Também acompanha 56 cenas para visualização da mensagem para os menores.

Qual a faixa etária:

Para crianças menores: de 4 a 6 anos, considerando que são crianças ainda não alfabetizadas ou em fase inicial de alfabetização.

Para crianças maiores: de 7 a 10 anos, grupo já alfabetizado.